Resposta a um post de um blog que leio quase com um fanatismo xiita:

Caro amigo,

Então cara, esse assunto só pode ser discutido entre nós do seguinte modo: Bar do Vovô com várias Originais sobre a mesa.

Realmente, o Ensino Superior foi pra cucuia faz tempo. Foi trocado a qualidade de ensino pelo mercenarismo nas mensalidades, a troca de professores conceitualizados (vc acha que o Mestre Luis Antonio dura mais um semestre?) por professores do tipo “pague 1 e leve 2” e gastos em obras quase Faraonicas (campus em pinheiros, novo centro esportivo e clinica veterinária) tudo para mostrar a ostentação e dizer que a facu tem estrututa (até) demais. Tudo em nome do “Aprender na Prática”, que sabemos que não existe assim tão na prática.

Fui na Casper há algumas semanas e fiquei besta. No único andar em que fui, além do estúdio de um rádio popular, havia nada menos de que 7 estúdios de Rádio e TV e várias ilhas de edição. Tuno num mísero andar. Agora a nossa, a mesma que joga sujo publicando banners e flyers com rankings manipulados com os resultados do MEC e possui uma das mensalidades mais altas da cidade (eu estava dentro da Casa Branca, lembra?) possui um puta prédio, com o pomposo nome de Núcleo de Comunicação Social, de 4 andares, com apenas 2 estúdios e (míseras) 3 ilhas de edição. Eu e você, mais do que ninguém, em época de edição de TCC, sabemos a falta que uma estrutura melhor faz.

E o que o povo faz? Apitaço, claro. Faz zona, atrapalha a aula dos outros, chegam a colocar carro de som na porta da facu, como na última quinta feira. Tudo para colocar o dedo na ferida e mostrar pra facu algo como “ei, nós não concordamos com isso!”. Eu não participo dessas idiotices acéfalas e simplesmente digo que tô cagando e andando com isso. E é verdade.

Não serei eu que farei isso. Não tenho coragem para tanto. Mas quer ver alguém conseguir colocar o dedo na ferida de tal modo que ele infeccione e gangrene de vez? É só alguém, talvez a mesma pessoa que organize esses movimentos estudantis de merda, aparecer na reitoria com centenas, milhares de boletos de mensalidades não pagas e aí sim dizer: “ei, nós não concordamos com isso!”. Mas será que alguém tem coragem suficiente para desafiar o rei desse modo? Ou vão continuar no infrutífero apitaço?

Pois os milhares de boletos pagos são, para a Unicsul, o seu pão e circo. Enquanto eles tiverem isso não há apitaço que os perturbe.

Mas como falei acima, isso é papo para ser discutido numa mesa de bar com várias cervejas ao nosso lado.

Anúncios