Não adianta, ou você ama ou odeia o trabalho de Rob Zombie. Nem estou falando de sua carreira de músico (que particularmente conheço pouco, mas admiro o pouco que ouvi) e sim das suas aventuras no mundo do Cinema. Zombie coleciona com a mesma intensidade admiradores e detratores e seu “Casa dos 1000 Corpos” é um dos maiores exemplos de “ame/odeie” da sétima arte. Após o calvário que foi a produção e lançamento de “Casa dos 1000 Corpos” e depois de diversos cortes, roteiro re-escrito, montadores demitidos e o escambau, o filme finalmente estreou nos EUA. E como disse virou mais um daqueles casos de “ame/odeie” que rendem bate-bocas violentíssimos pelos fóruns e blogs da vida.

Eu quando o vi achei um porcaria sem tamanho! Confuso, chato e nem cumpria a promessa do diretor e de tantos sites de que seria “um dos filmes mais sádicos e violentos dos últimos tempos”. Ah, tá… O grande problema mesmo é que a tal versão que foi para os cinemas norte-americanos e para nossas locadoras foi a versão cortada em mais de 20 minutos (!!!) da versão original, ou seja quem sabe vai que a director´s cut de Zombie faça com que o filme seja “menos pior”. Por isso eu decidi deixar de acompanhar a saga de Rob Zombie no mundo do Cinema e por isso nem dei bolas para a continuação, “Rejeitados pelo Diabo”, e nem me preocupei em ler nada sobre a produção.

Quando, ontem, tive a coragem de alugar o filme pensando que seria uma bomba, até que me surpreendi! Não sei o que Rob Zombie tomou ao cometer o péssimo “Casa dos 1000 Corpos” mas ainda bem que ele parou. Isso porque esta seqüência é um filmão! É um dos mais violentos, sádicos, dementes e tensos dos últimos anos e sinceramente nem sei como conseguiu ser produzido tendo em vista a falta de coragem que assola o cinema norte-americano dos últimos tempos.

O filme como todos sabem é a seqüência de “Casa dos 1000 Corpos” mas pode ser normalmente visto como um filme independente já que a espinha dorsal do roteiro é totalmente diferente do primeiro filme, uma mistura (indigesta, diga-se de passagem) de “Massacre da Serra Elétrica”, “Quadrilha de Sádicos”, “Pânico na Floresta” e “Wolf Creek” e outras pérolas. Já esta sequencia tem tudo de bom dos filmes que acabei de citar e todo um jeitão de faroeste e road movie com um toque de “Assassinos por Natureza”. O filme começa com uma operação de “busca e destruição” à casa dos Firefly, palco das atrocidades do original. Enquanto a família psicopata está dormindo tranqüilamente, o xerife Wydell dá voz de prisão e um tiroteio acontece na casa. Mas dois dos loucos, o sádico Otis e Baby (a deliciosa Sheri Moon, esposa de Rob Zombie, que reprisa seu papel) conseguem escapar ao passo que a mãe da família é presa pelas autoridades.
A “Mãe Firefly” é interpretada pela Tenente Callahan, a policial peituda da série Loucademia de Polícia (e musa de minha infância).

O filme então se concentra na escapada de Otis, Baby. Então pode esperar pelas situações mais sádicas e revoltantes. Enquanto Otis e Baby esperam pela chegada de seu pai para lhes ajudar na fuga (o palhaço sádico do primeiro filme, Capitão Spaulding), eles decidem parar em um motel de beira de estrada, onde encontram uma banda de coutry para enfernizar.

Essa é a parte mais cruel e revoltante do longa, onde Otis e Baby brincam das formas mais sádicas com a pobre banda. Pra se ter uma idéia já começam despachando o roadie deles com um tiro no olho à queima-roupa. Não quero entregar muito, mas vou dizer que um deles leva uma facada no peito e outro tem a pele do rosto arrancada e usada como máscara por Otis, assim como o Leatherface dos velhos tempos. Sem contar o chocante atropelamento de um deles por um caminhão. Como já disse não quero contar muito pra não estragar o prazer e quem sabe aliviar a tensão que você terá ao assistir ao filme, o que posso adiantar é que essa seqüência é uma das mais revoltantes e chocantes e que chegou a me dar a vontade de pular dentro da TV e ajudar os pobres coitados.

Após a chegada do Capitão Spaulding, eles decidem se esconder no prostíbulo de Charlie (Ken Foree, do clássico “Despertar dos Mortos”, de George Romero) que tem como assistente Clevon (ninguém menos que o feioso gente fina Pluto de “Quadrilha de Sádicos”).

Só que paralelamente a isso o incansável xerife Wydell tenta a todo custo pegar os fugitivos. Isso porque quer vingar a morte do irmão George, morto pelos assassinos no primeiro filme. Aliás, numa cena bem sacada o xerife conversa com o espírito do seu irmão falecido que clama por vingança e pede que o irmão mate todos eles. Sempre recitando passagens bíblicas e chegando a ser tão ou mais sádico que os psicopatas, o xerife Wydell rouba a cena sempre que aparece e é impossível não torcer para o xerife mesmo que ele se torne tão cruel a ponto de se igualar ou ultrapassar os psicopatas no quesito sadismo. Só que os assassinos fizeram tanta lambança que é impossível ter pena deles.

Pois o xerife quer matá-los fora dos olhares da polícia e por isso contrata dois mercenários, o mexicano muy fodão Rodo (Danny Trejo, que apareceu em vários filmes de Tarantino e Rodriguez e um monte de filmes onde precisam de um mexicano mal encarado e puto da vida) e Billy. Com os tais mercenários pretende seqüestrar os psicopatas e administrar uma pequena sessão de tortura antes de matá-los.

O roteiro também escrito por Zombie, tem bons momentos e ainda insere ótimas piadas que não estragam o filme e servem como válvula de escape para toda a tensão e sadismo que permeiam o longa. As melhores envolvem o “núcleo do prostíbulo”, onde em uma cena até Star Wars é citado e o personagem do eterno Pluto tenta explicar para Charlie a diferença entre robôs e droids. Sem contar outro momento em que um vendedor de frangos explica aos personagens citados acima como comer um frango no mau sentido. O núcleo da polícia não deixa por menos e há uma cena engraçadíssima onde até Elvis Presley é citado por um hilário e revoltado crítico de Cinema que culpa o Rei por ter morrido três dias antes de Groucho Marx e com isso ter roubado todas as manchetes dos jornais.

E além do filme ser ótimo, as participações especiais de atores consagrados do gênero faz descer uma lágrima de todo fã de horror que se preza só por ter a chance de vê-los de volta à ativa. Eu mesmo como não quis ler nenhuma notícia ou algo relacionado ao filme me surpreendi ao ver tantas participações especiais. Onde mais poderíamos ver no mesmo filme Pluto, Ken Foree, sem contar atores legais e injustiçados como William Forsythe (xerife Wydell) que apareceu em dezenas de filmes como coadjuvante e até apanhou do Steven Seagal. Tem ainda Danny Trejo, Tenente Callahan e aquele ator gigantesco de Peixe Grande que reprisa o papel do gigante Tiny, e que infelizmente morreu no fim das filmagens. Inclusive o filme é dedicado à sua memória.

Cara é estranho como um filme como Rejeitados pelo Diabo tenha conseguido ver a luz do dia, isso porque é muito sádico, cruel, tenso e muito filho da puta. A ambientação a lá anos 70 ainda faz parecer que é um filme da época por todo o sadismo e sensação de “no future” da década. Se não fosse a câmera inquieta (que confesso algumas vezes incomoda, como em algumas cenas que não necessitam do recurso) e a montagem videoclipe, passaria normalmente como um filme dos anos 70. Zombie também evoluiu muito na direção e cria várias tomadas lindas como a casa dos Firefly em chamas ou as tomadas aéreas de auto-estradas que de tão bonitas serviram de plano de fundo para os créditos finais. Zombie ainda cria duas seqüências embaladas somente por canções sendo a melhor delas exatamente a final onde mostra o derradeiro destino dos vilões/protagonistas embalada pela música Free Bird (Guitar Hero 2, alguém?), canção do Lynyrd Skynyrd que em certos momentos pontua a ação. E que é uma das cenas mais bonitas do filme.

Mas o filme tem seus erros. Faço agora o papel de advodago do diabo. Zombie ainda insiste na mania de balançar a câmera a todo momento, até nas cenas que não necessitam do recurso (as de diálogos por exemplo), sem contar que há um sem número de takes de closes, planos fechados e supercloses que são usados à exaustão. Quando Rob perder esses seus vícios da época de videoclipeiro seus filmes ficarão cada vez melhores. E o que dizer da cratera no roteiro que Zombie deixa passar: ou será que ninguém naquele motel ou no posto de gasolina vizinho sequer ouviu os tiros ou gritos de socorro das pobres vítimas da banda “Banjo e Sullivan”? E Zombie ainda se esquece do personagem do vovô do primeiro filme. Mesmo que o ator tenha falecido, não custava nada fazer no mínimo uma citação para saber o paradeiro do velhinho.

Bem, agora pretendo contar segredos da trama (mais?), então se você ainda não viu o filme, já sabe: clique aqui e acesse outro site mais interessante.

Lá pro clímax do filme, o xerife Wydell consegue agarrar os assassinos e os leva para a casa deles e administra uma básica sessão de tortura. Vou contra a maré das críticas feitas ao filme nas quais todos rasgam seda o personagem Otis. Quem rouba a cena do filme mesmo é o xerife Wydell e no último ato não poderia ser diferente! Wydell é a “voz do povo” no filme, faz tudo o que gostaríamos de fazer com os bandidos. Primeiro ele grampeia fotos das vítimas no corpo dos três, além de dar choque e porrada em todos! Ele até prega as mãos de Otis numa cadeira. O filme desanda mesmo quando Zombie decide matar o xerife Wydell permitindo que a família Firefly escape. Eu mesmo cheguei a pensar que o diretor iria poupá-los para uma terceira parte e já estava me preparando para brincar de disco voador com o DVD quando finalmente Zombie decide dar cabo dos seus “heróis” em uma cena muitobem realizada (a tal embalada pela canção Free Bird, lembram?), que quase me fez ter dó dos personagens.

Sinceramente, acho que existem dois Rob Zombie. O que cometeu a bomba “A Casa dos 1000 Corpos” e o que deu vida a “Rejeitados pelo Diabo”. Ao primeiro desejo que nunca volte, ao segundo dou boas vindas e espero que faça o favor de nunca sumir.

Ah, pra finalizar, Zombie já ta quase finalizando o remake de Halloween, que sairá ainda esse ano no Brasil. Esse é outro que promete. Será que vai chegar a sair nos cinemas, ou irá direto pra locadora, como essa preciosidade?

**********
Depois de ver tanto sangue, fui assistir Simplesmente Amor, DVD que comprei ontem junto com O Operário e A Chave Mestra. Mas isso é assunto para outra crítica de filme.

**********
Depois de comer o pior yakissoba da minha vida, mas um domingo vai pelo ralo, junto com o mês de agosto.

Setembro, vê se pega leve comigo ok?

Anúncios