You are currently browsing the monthly archive for novembro 2008.

Aguém pode me dizer como eu faço pra deletar alguém permanentemente da minha vida?

Eu costumo escrever esse tipo de post quando chego ao final da atual temporada da série em questão, mas me senti obrigado fazê-lo agora, já que Smallville entrou na mais recente moda do mundo das séries, que é dar um tempo na trama e estender a série pra mais algumas semanas, coisa que já foi feita por Heroes e Lost (seqüelas da greve dos roteiristas no começo do ano).

Smallville chegou ao décimo episódio semana passada e voltará a ser exibido apenas em janeiro de 2009, uma tática para manter o suspense e alavancar a audiência. Entre altos e baixos (bem poucos, vale dizer) a série conseguiu criar bons momentos durante essa primeira metade de temporada.

Então a Fortaleza da Solidão foi destruída logo que Lex descobre o tão bem guardado segredo de Clark. Quando a poeira abaixa, o careca é dado como desaparecido. A nova vilã agora é Tess Mercer, gostosa que assumiu a Luthorcorp na ausência de Lex e tem como prioridade máxima achar seu patrão.

Arqueiro Verde agora faz parte do elenco fixo, assim como o novato Davis Bloomer, motorista de ambulância com um passado desconhecido e de grande importância nessa temporada. Chloe, graças a Brainiac, agora é quase um supercomputador ambulante, com uma inteligência fora do normal que ajuda Clark na resolução dos problemas de cada episódio. Lois já aparece como a destemida repórter do Planeta Diário e nosso herói dá os primeiros passos na carreira jornalística e Lana está fora da série devido aos problemas mostrados no final da temporada passada.

Aos poucos o caldo engrossa. Arqueiro Verde dá piti ao descobrir que Clark sabia que Lionel matou seus pais e abandona a carreira de herói. Os sentimento de Lois sobre Clark se afloram de vez e Chloe e Jimmy marcam casamento. No meio da bagunça, Davis começa a gostar de Chloe e ficamos sabendo que ele vem sofrendo apagões e sempre volta a si sujo de sangue. Dos outros.

Recebemos uma prova de que Lex está vivo ao ver um e-mail que ele manda para Tess assinado somente com um X. O cover do Cojak já apronta uma das suas peripécias e acaba enviando Clark para a Zona Fantasma durante um episódio, e nisso acabamos descobrindo onde havia ido parar a Supergirl no final da temporada passada. O Arqueiro Verde decide então voltar à ativa depois de um daqueles discursos clichê do Clark. Chloe começa a pirar devido suas habilidades e, como um computador de verdade, tem suas memórias deletadas aos poucos.

Clark, desesperado, decide reconstruir a Fortaleza e pedir ajuda a Jor-El para salvá-la. Pede também para que seu pai apague da memória dela tudo que ela sabe a respeito de seus poderes, pois ele se sente culpado por tudo que ela passou por ele.

Após isso somos apresentados ao verdadeiro vilão da temporada. O monstro que, nos quadrinhos, acabou matando o Superman: Apocalypse. Criado a partir de experiências genéticas que juntaram as características de várias feras de Krypton num único ser, Apocalypse veio à Terra na mesma nave que Clark, porém foi encontrado mais tarde. Vivendo de adoção a adoção, acabou crescendo e virando motorista de ambulância. Sacou?

Durante o casamento de Chloe e o quase beijo entre Clark e Lois, Davis tem mais um de seus apagões e aparece para estragar a festa. O que vemos é um monstro igualzinho ao dos quadrinhos, que dá uma porrada no Clark, seqüestra a noiva e a leva para a Fortaleza da Solidão, agora dominada por Brainiac. Todo o ataque foi filmado e é visto pelas lentes do cameraman do casório, num efeito bem legal de se ver.

Daí vem o final do episódio. Não vou comentar, sem palavras. Haja coração, como diria Galvão Bueno. Eu recomendo assistir só por causa da última cena. Do tipo final de temporada. O vídeo tá aí embaixo. Vai ser foda esperar até 2009.

**********
Eu tava certo! Eu sabia!

palmer

**********
Uma das coisas mais legais da TV paga (para quem é fã de séries) são as vinhetas anunciando novas temporadas. Essa dos Simpsons eu achei uma das mais geniais que já assisti. Uma versão mais longa você encontra na home do site da Fox.

**********
Saiu pôster da nova temporada de Lost, bem auto-explicativo. Janeiro promete ser um mês cheio.
lost-poster-novo-abc-high

Ontem, dia 25, além de ter sido dia de pagamento, foi dia de assistir Ensaio Sobre a Cegueira no HSBC Belas Artes, meca cinematográfica dos moderninhos, viados e descolados da cidade.

Um evento concorrido, pois não seria uma exibição de cinema qualquer. A patroa fez todo mundo correr atrás de um par de ingressos para o filme. Além da exibição ser gratuita, após o filme teríamos o prazer de participar de um bate papo com Fernando Meirelles, diretor do filme que já encabeça a lista dos melhores do ano por este que lhes escreve. Quem não conseguisse um ingresso ficaria chupando o dedo.

Sobre o filme, nem se fala. Quem já assistiu sabe do que to falando e quem não assistiu não imagina o que ta perdendo. Após o filme, um intervalo para dar uma mijadinha e aí Fernando Meirelles entra no cinema, conversa um pouco com o mediador do debate e começa a responder as perguntas do público.

Bem humorado, Meirelles respondeu todas as perguntas com uma simpatia sem igual. Um prato cheio para estudantes de comunicação, principalmente cinema, pois quase todas as questões envolviam temas como montagem, roteiro, som e outras curiosidades sobre as filmagens. Teve também perguntas a respeito das diferenças entre o livro e o filme, na qual Meirelles assumiu que Saramago disse que o filme não era a versão que ele imaginava de seu livro, mas que o diretor havia captado a idéia. E teve também algumas curiosidades respondidas, como a minha.

Era uma dúvida que me enchia a paciência. Quem assistiu sabe que uma das cenas mais emocionantes e angustiantes do filme é a cena do estupro coletivo, tão forte quanto (ou até mais) que no livro. Na exibição em Cannes Saramago chegou a chorar no final do filme e, como dito aí em cima, o escritor aprovou a versão de seu livro. Perguntei se havia alguma cena que Saramago comentou como sendo a mais fiel ao seu livro, aquela que foi filmada de forma perfeita, que representava em película exatamente a idéia passada pelo livro.

Talvez eu já soubesse a resposta, pois a cena que Saramago mais curtiu foi justamente a cena do estupro, e foi aí que, na exibição em Cannes, o escritor começou a chorar e não parar mais.

Agora, após ler o livro e assistir ao filme pela segunda vez, basta esperar pelo DVD, que deve chegar lá para fevereiro, que coincidentemente será perto do meu aniversário. Alguém se habilita?

**********
Antes da exibição do filme, assisti ao trailer do filme Romance, produção nacional com Wagner Moura e Leticia Sabatella no elenco.

Durante o trailer, nada demais. Um filme com cara de novela das 8 e com um elenco que já fez uma novela das 8. Mas o que mais me impressionou, e que caiu como uma luva no momento que eu estava passando, foi justamente uma frase do trailer em que o personagem de Wagner Moura diz aos prantos que “casamento é uma coisa e amor é outra. Porque as pessoas se casam por amor e depois terminam se estapeando por causa de uma infiltração na cozinha”.

Ou terminam também porque uma pessoa já assistiu a um filme no cinema e não falou nada.

**********
Fala a verdade, quem nunca passou por isso pelo menos uma vez na vida?

Kerli – Walking on Air

In This Moment – Forever (refrão chiclete)

Krypteria – Will You Be There For Me

Paramore – When It Rains

Juli – Perfekte Welle (refrão chiclete II)

Quem nunca jogou Street Fighter na vida que atire a primeira pedra. Ou nunca ficou ao lado de uma máquina de fliperama enchendo o saco de alguém que tava jogando, gritando sem parar “dá a magia, dá a magia!”, por favor, retirem-se do recinto. Previsto para fevereiro, Street Figher 4 será lançado para Xbox 360, Play 3 e PC e promete muitas horas com jogadores soltando Hadoukens sem parar.

Baixei na Xbox Live um trailer do jogo, exibido na Tokyo Game Show de 2008. Após assisti-lo por cerca de 15, 20 vezes e ficar quase tão emocionado quanto uma adolescente assistindo Titanic, maravilhado com a música tema da série tocada com um arranjo de fazer até marmanjo chorar, com cenas em CG, anime e partes do jogo rodando, cheguei à conclusão que preciso comprar remédios para tratar de problemas do coração quando o jogo chegar nas lojas.

Isso sem falar em Super Street Fighter II Turbo HD Remix, remake que sairá para as redes de download da Microsoft e Sony ainda esse mês, com personagens desenhados à mão, quadro a quadro, tudo em alta resolução. Veja a diferença entre as imagens abaixo e chore.

ryu

**********
Todos adoram fazer listas das 10 mais. Os melhores filmes, os melhores jogos e por aí vai. Se eu fosse fazer uma lista dos filmes-de-terror-que-mais-me-deram-cagaço-em-2008, Rec ganharia a primeira posição fácil.

Após o fatídico episódio do bambu, mais uma vez Silvio Santos leva a pior, dessa vez do próprio Satã encarnado.

Em breve estreará nos cinemas brazucas o filmaço Rec, produção espanhola de 2007 que já ganhou um remake às pressas pelo cinema acéfalo e sem criatividade americano, que nos últimos anos copia descaradamente filmes de sucesso que não tenham sido feitos no Estados Unidos. O cinema oriental quem o diga.

Rec começou a me chamar a atenção desde o primeiro teaser jogado no Youtube, e que traz uma cena independente, sem nada a ver com a trama do filme: uma câmera segurada por alguém com mal de Parkinson acompanha dois bombeiros que entram em um prédio, no que parece o atendimento a uma chamada de emergência. A subida, acompanhada de perto pela câmera, é entrecortada por estatísticas como “No último ano, os serviços de emergência na Espanha atenderam mais de 23 milhões de chamadas. Os bombeiros de Barcelona realizaram 15.003 operações: 4.171 incêndios, 4.059 resgates, 6.768 ocorrências em geral…”. Finalmente, a dupla de bombeiros chega a um corredor escuro, onde se vê apenas o vulto de uma menininha, e, enquanto ela pula para atacá-los, entra a frase “…e 5 casos sem classificação”. Caraca, caguei!

Apesar da criatividade, Rec é mais um filme do gênero cinema-verdade de mentirinha, gênero que ficou famoso com o filme A Bruxa de Blair, mas que já possuía representantes bem mais antigos, como Cannibal Holocaust, Codinome 84 (onde um cinegrafista acompanha uma violenta missão no Vietnã) e The Last Broadcast (onde documentaristas amadores são atacados pelo Pé-Grande). A diferença é que Rec não acompanha uma equipe que grava tudo já sabendo o que se passa, como a Bruxa de Blair, em que jovens estão fazendo um documentário sobre a tal bruxa. Em comparação, Rec pode ser visto com a mesma idéia que Cloverfield (super produção do cinema-verdade de mentirinha): pessoas filmando algo e sendo surpreendidas por um evento inesperado.

Assim como Diário dos Mortos (filme-verdade de mentirinha do mestre George A. Romero), o filme mostra uma infecção de zumbis pelas lentes de uma câmera. Rec acompanha uma equipe de reportagem de um programa que acompanha a rotina das equipes de resgate de Barcelona, e vai junto quando os bombeiros recebem uma chamada de rotina, vinda de um prédio na periferia da cidade. Daí em diante é só sangue, correria e câmera com tremedeira.

Rec busca um formato de falso documentário televisivo, bebendo da mesma fonte de outras bem-sucedidas experiências do gênero. Em 1998, o falso documentário Alien Abduction – Incident in Lake County, exibido na televisão, mostrava cenas supostamente reais de uma família sendo abduzida por um disco voador. As imagens da gravação amadora eram comentadas por especialistas de mentirinha e por ufólogos reais e respeitados, o que acabou dando ainda mais credibilidade às imagens evidentemente falsas.

Antes disso, em 1992, a emissora inglesa BBC fez seus espectadores literalmente se cagarem de medo ao transmitir o programa batizado Ghostwatch, no Halloween daquele ano. Supostamente, era uma apresentação ao vivo realizada por verdadeiros jornalistas da emissora dentro de uma casa com fama de assombrada. O programa se desenrolava normalmente, incluindo entrevistas com parapsicólogos e as piadinhas e brincadeiras da equipe de jornalistas, mas no final as manifestações sobrenaturais começavam a acontecer no interior da casa, e, antes da câmera encerrar a transmissão, um dos repórteres era possuído pelo demo. Você consegue imaginar a reação dos espectadores que assistiam isso ao vivo? É o mesmo que ver Willian Bonner girar a cabeça em 360º no Jornal Nacional.

É isso que o filme quer passar. A idéia de que “se está passando na TV, então é verdade”. Se depender das imagens exibidas depois do teaser logo abaixo, o filme atingiu seu objetivo.

**********
Reino Unido não tem porra nenhuma.

**********
Coquinhos. Quando a gente pensa que sabe tudo sobre eles, vem um deles e te surpreende.

**********
A campanha é essa: tudo que vocês souberem a respeito do show do Radiohead no Brasil em março/09, enviem para esse cara aqui.

Como da última vez em que fui viajar com alguns amigos do banco que nem parece banco feito pra você, estava eu e mais alguns colegas de trabalho, juntamente com mais dois carros, parados no acostamento da rodovia, esperando o resto do povo chegar para pegarmos a estrada, no que seria um ótimo final de semana num sítio do interior.

Era a primeira vez em que eu ia viajar com o carro novo. Tinha passado no lava rápido e dado aquele trato, tava com o tanque cheio e o iPod já estava lotado de boa música e bombando no som do carro.

De repente, não sei de onde, veio um grupo de umas 7 pessoas. Foi muito rápido. Apontaram as armas, disseram para ficarmos calmos e que nobody move, nobody get´s hurt. Entraram nos carros e foram embora.

Fiquei branco. Uma vontade louca de chorar veio e não agüentei. Começou a passar pela cabeça imagens de pessoas me encheram o saco pra fazer o seguro do carro, e comecei e pensar no puta carnê com as prestações do carro, com apenas 3 parcelas pagas. Pensei na fatura do cartão de crédito, com o som do carro parcelado em 12x. Pensei em me matar.

Uma dor começou a subir pelo peito, o coração batendo tão forte que parecia que ia explodir no peito. Batia tão forte que chegava a doer. Daí, num pulo que quase me joga no chão, eu acordei.

**********
Alguém pode me mandar um link (decente, por favor) pra baixar o novo álbum do AC/DC, Black Ice?

E que fique dito: Obama não é o primeiro presidente negro dos Estados Unidos. Antes dele já vieram Morgan Freeman e também David Palmer, sem falar naquele negão que era o presidente do planeta no filme O Quinto Elemento,  e mais uma penca que não me lembro.

Podem dizer que ela é meiga e bonitinha, uma gracinha de menina. Mas eu aposto que ela tem um 666 gravado no couro cabeludo e é a representante do tinhoso aqui na Terra.

maisa

**********
Por um motivo que ainda não sei, no banco que nem parece banco (e agora feito pra você também) tivemos internet liberada geral por 3 dias. Ótima oportunidade para ler as sapiente colunas do Ivan Lessa, comentando sobre o british way of live.

Mais de 1/4 de século vivido, formado em publicidade e amante de games, música e pop!

Na estante

tripulacao-de-eaqueletos-stephen-king

Twitter

novembro 2008
S T Q Q S S D
« out   dez »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930