A falta de criatividade não abalou somente os pilares de Hollywood, com sua enxurrada de remakes e afins. Abalou também esse velho escriba, que não tem nenhuma idéia do que escrever essa noite.

Porém não tema. É em momentos como esse que devemos olhar para trás e ver as obras que realizamos, as conquistas adquiridas e, por que não, os posts que escrevemos. Por isso vamos relembrar o que foi escrito não há um, mas há dois anos atrás.

**********
16 de junho de 2007

Quem me conhece bem sabe que sou um amante do games. Por favor, viciado não. Dá a entender que é uma droga qualquer, e não é verdade. Listei aqui os games que, de um modo ou de outro, mudaram minha vida. Pra melhor, é claro.

Gostaria de citar mais, como um Top 10, um Top 50 ou até um Top 100. Autoridade pra isso eu tenho, eu só não tenho espaço.

The Legend Of Zelda: Ocarina of Time (N64 – 1998)
Nunca fui fã de RPGs, principalmente da saga Final Fantasy. Mas Zelda foi diferente. Nunca tinha jogado nenhum jogo da série até então, mas o que joguei no meu N64 foi uma experiência única, magnífica. Baixei recentemente o emulador do game em português, mas a falta de tempo me impede de aproveitar essa obra prima. Pena.

Residen Evil (PSX – 1996)
Do gênero Terror, os Mortos Vivos sempre foram os meu preferidos. Quando fiquei sabendo que havia sido lançado um jogo com essa temática, fui conferir. Com gráficos maravilhosos (para a época, claro), o jogo te imergia na trama e fazia de você parte da história repleta de mistério e gore. Zumbis espalhados numa mansão gigantesca, pouca munição puzzles de rachar a cuca e muitos sustos (quem não se esquece da parte das janelas estourando?) fizeram deste jogo o primogênito de uma das maiores franquias do mundo dos games.

Doom (PC – 1993)
Amo jogos de tiro em primeira pessoa. Tudo isso foi culpa de Doom. Com uma história tão profunda quando um pires, o legal mesmo era arregaçar monstros e alienígenas numa base em Marte. O medo também fazia (muita) parte do jogo, deixando muito marmanjo com cagaço de alguns pixels na tela. Imagina jogar esse game de noite, no escuro?

Super Metroid (SNES – 1994)
The last Metroid is captivity. The galaxy is at peace. Assim começava um dos melhores jogos já criados, na qual você caçava alienígenas num planeta, em meio a labirintos e chefes enormes e muito fodas de se derrotar. Clássico absoluto do Super Nintendo, com gráficos, músicas e desafios acima da média.

Metal Gear Solid 3 – Snake Eater (PS2 – 2004)
Nunca havia me interessado pelos episódios anteriores, até que pus a mão nesse jogo e fiquei fascinado com a dinâmica do jogo. Não bastava chegar arrebentando com tudo. Era necessário ir na moral, fazendo o mínimo de barulho e, quase sempre, não usar as armas para matar os inimigos. Confesso: era muito mais legal cortar a garganta de alguém na surdina do que enchê-lo de balas.

********
Notícia tirada do site Yahoo.

O adolescente Damian Fernandez reagiu a um assalto de maneira inusitada, que mais poderia ser considerada saída de um videogame: a espadadas.

Damian e sua irmã Deanne, de 15 anos, estavam sozinhos em sua casa, em Miami, quando ouviram alguém mexer na porta da rua. Deanne se escondeu em seu closet e Damian foi até seu quarto, onde guardava uma espada samurai.

Após pegarem algumas jóias, os assaltantes encontraram a caixa do console PlayStation 3 da família, e resolveram procurar pelo aparelho, noticiou o site Eurogamer. Damian esperou o momento certo para atacar e, utilizando alguns golpes que aprendeu no caratê, que treinou até a faixa marrom, bateu com a espada no peito do invasor.

Em entrevista ao site Local10, o garoto se diverte contando que o bandido atacado se desesperou e saiu correndo. Damian então perseguiu o homem até a rua e viu o bandido e seu comparsa fugindo.

Quando a polícia chegou, encontrou Javier Cotera, de 21 anos, escondido atrás de uma palmeira, mas não viu sinais de seu parceiro. Menos empolgado que Damian, Delio Fernandez, pai dos adolescentes que na hora do ocorrido estava no trabalho, está preocupado com os bandidos: “Se ele tivesse uma arma, eu poderia ter perdido um de meus filhos”.

Javier Cotera deverá comparecer no tribunal dentro de duas semanas, onde será julgado por seus crimes.

Pelo alto preço do console PlayStation 3, o aparelho virou alvo freqüente de ladrões. O problema foi ainda maior nas semanas de lançamento, quando a escassez de aparelhos elevou o preço do produto a tal ponto que se tornou uma opção muito interessante para os bandidos.

**********
Prepare os fones de ouvido e experimente isso. É a coisa mais foda que eu já vi em toda a minha vida hoje.