You are currently browsing the monthly archive for setembro 2009.

vgl

Adivinha quem ganhou um ingresso para ver ao vivo a orquestra liderada por Jack Wall e Tommy Tallarico tocar os maiores clássicos dos videogames?

O esquema era básico: bastava criar uma frase dizendo por que você devia ser escolhido para assistir o show no Brasil. Escrevi apenas duas. Como não sei qual foi a vencedora, aqui vai as duas frases, precariamente armazenadas em um arquivinho txt.

“Sou feio, careca, magricela, remelento, uso óculos fundo de garrafa e sou virgem. Preciso ir ao VGL, senão não me resta nada além de cometer suicídio!”

“Minha irmã é modelo e terei muito prazer em apresentá-la a vocês, junto com várias amigas dela, caso eu ganhe um ingresso pra VGL. O que vocês me dizem?”

Se o incrédulo leitor quiser conferir por si próprio, basta ver a lista completa dos ganhadores. Sou o quarto da lista.

HALO 3

Jogos que (não) gostaríamos de ver II

3A850B_1

A História do Mundo Parte 1

 

0027616925671
Um Morto Muito Louco

 

the-warriors-dvd
Warriors – Os Guerreiros da Noite

**********
Como um amigo disse uma vez, a Pixar se superou de novo.

Numa das minhas inúmeras viagens de trem diárias (8 no total), me deparei com uma cena curiosa: um senhor, pra lá de seus cinqüenta anos, jogava animadamente PES 09 em seu lustroso PSP. Ao meu lado, uma pessoa também não aparentando menos de cinqüenta anos, assistia animadamente o DVD End of an Era, do Nightwish, em seu modernoso celular, com direito a air guitar e tudo mais.

Sinal do fim dos tempos?

**********
Voltando pra casa me deparo com um casal sentado junto. Ele: branquelo, alto, careca e magro, com uma semelhança incrível com Dick, do livro Alta Fidelidade. Ela: loura, pele branca e com uma beleza natural, não igual as super modelos inacessíveis a pobre mortais com barriga de jogador de videogame como nós. Conversavam, trocavam carícias, falavam besteirinhas um no ouvido do outro e não paravam de sorrir.

Alguma coisa berrou de nojo dentro de mim, mas me fez desesperadamente querer ter uma namorada.

**********
“Mais muralhas do que a China e mais chutes do que karatê”. Saiu o novo comercial de Fifa 10 e ele conseguiu algo impossível: ser mais exagerado que o comercial do game no ano passado.

Não gosto de jogos de futebol (não gosto nem de praticar esportes), mas confesso que até eu fiquei com os dedos coçando pra colocar as mãos no game.

Fifa 2010

**********
Graças à APCM, que fechou o maior site de donwload de séries do Brasil, tive que recorrer a outros meios escusos para obter minhas séries favoritas, que oportunamente começam a ser exibidas lá fora.

Depois de baixar o torrent em alta definição do novo episódio de Fringe no Mininova, acabei tendo a amarga surpresa de que o episódio em questão possui legendas em francês. Bom, de volta às buscas do Google.

Busco também a edição do Emmy 2009, mas não acho legendas para a tal maledita. O jeito é arriscar e ver se meu inglês está em dia.

**********
Alguém já ouviu falar na série Flash Foward? Sinta o frescor da primavera no ar, pois a série estreou agora e o episódio piloto já vem bombando. Sem dúvida é o melhor piloto que vi em muito tempo, se comparando ao episódio de estréia de Fringe. Durante pouco mais de dois minutos a humanidade inteira desmaia simultaneamente – causando obviamente muitos acidentes graves e mortes – e nesse tempo as pessoas vivenciam uma espécie de flash de suas vidas seis meses no futuro. Novo Lost? Talvez.

tirinha gamer 6

Tirinha Gamer #5

Need For Speed: Shift
A Eletronic Arts lançou seu mais recente game da desgastada franquia Need for Speed e, mais uma vez, mudou o foco de seu game. A franquia já passou por corridas tradicionais, rachas noturnos a lá Velozes e Furiosos, fugas e perseguições policiais, rachas e drifts montanha abaixo, corridas em circuitos fechados e por aí vai.

l_noticia694

Com gráficos bonitos, mas não acima da média, um sistema de som que é mais do mesmo e um sistema de danos não muito realista (dei várias porradas e não aconteceu mais do que uns arranhões), o game gira em torno do universo das corridas profissionais a lá Gran Turismo e Forza Motorsport, mas não possui o feeling e a simulação dos games citados. Está mais voltado para o que foi mostrado em GRID (Xbox 360/Play 3) e seu jeitão de jogabilidade Arcade disfarçada de Simulador, mas de um jeito mais pobre.

nfs_shift_audi_4

A imitação comparação inspiração em GRID é mais notável na visão interna do veículo, nos danos causados ao veículo durante as batidas e até nos movimentos com a câmera com o analógico direito. É o tipo de game que você joga com aquela sensação chata de deja vu, com recursos que você já viu de formas melhores em outros games de corrida. É aquele tipo de jogo que se joga uma vez, depois outra, e depois você encosta de vez. De fato, entre o original e a imitação, fique com o original. Nota 5,5.

*
Batman: Arkham Asylum
A Eidos criou algo que parecia impossível: fazer um game de super herói de verdade, que te dá gosto de jogar e que respeita o histórico do personagem. Tanto é que o game já foi parar no Guinnes, como o melhor jogo de super herói já feito. Até eu, conhecido por desprezar games baseados em filmes/quadrinhos acabei me rendendo ao morcegão.

Batman-Arkham-Asylum

O jogo se passa totalmente no Asilo Arkham (óbvio), onde o Coringa instalou o caos e liberou todos os psicopatas lá aprisionados. Cabe ao homem morcego restaurar a paz e acabar com a bagunça. Por essa breve e porca sinopse o leitor pode pensar que se trata de apenas um jogo de ação e pancadaria, mas não é verdade. O jogo mistura ação com exploração e momentos stealth nos mesmos moldes de Metal Gear, onde a furtividade e cautela vale mais do que sair socando tudo e todos. Sem falar nos puzzles e desafios que o herói precisa resolver, onde se usa mais o cérebro do que qualquer outra coisa.

batman_aa_01_lg

Ambientes amplos e sombrios. História digna da fase de ouro do herói nos quasrinhos. Lutas convincentes e fluidas. Desafios na medida certa para quem é (ou não) fã do homem morcego. Mas, se isso ainda não for o suficiente, pense nos vários vilões disponíveis, cada qual trazendo consigo uma luta memorável — a aparição do Espantalho é digna de nota. Ou, quem sabe, a possibilidade de explorar o famoso e doentio Asilo Arkham, que regurgita todo tipo de vida pútrida que o homem morcego colocou lá. Enfim, sem rodeios: Batman: Arkham Asylum parece finalmente devolver a glória dos super-heróis aos videogames. Nota 9.

*
Dirt 2
Com GRID, a Codemaster levou ao asfalto virtual de nossos videogames o jogo de corrida mais perfeito já criado. Por perfeito não me refiro à simulação que beira à realidade de Gran Turismo, e sim o fato de ser um jogo simples de se jogar, divertido, mas com gráficos estonteantes (a visão interna do veículo é perfeita), som absurdo de tão bom e o melhor sistema de danos já criados em um único jogo.

dirt2007061416442265ve0

Agora a desenvolvedora abandona o asfalto liso como um tapete e joga seus carangos na lama e pistas de terra de Dirt 2. O primeiro jogo já era bom, daí veio GRID e, agora, a empresa juntou tudo que havia de bom nos dois jogos e reuniu tudo no melhor simulador de rally já feito. Ao pilotar pelas pistas, você verá carros com traseiras maiores deslizando e buracos impactando a resposta do veículo, onde as pistas de cascalho, lama, terra e asfalto influenciam diretamente no controle do carro. Os cenários também são vivos e deslumbrantes – as montanhas da China e os desertos do Marrocos, somada à vegetação densa que cobre algumas pistas e as florestas da Malásia criam alguns dos gráficos mais belos já vistos em jogos do gênero. O resultado é uma experiência memorável em todos os sentidos.

dirt2007061400552921vc7

Resumindo, o game é uma experiência única que prenderá a atenção do jogador em toda sua extensão. Há uma imensidão de carros, pistas e ambientações, evitando que o tédio chegue cedo demais. O resultado final é de dar inveja em muitos títulos e deve ser usado como referência para os jogos de rally que ainda virão. Nota 9,5.

*
The Beatles Rock Band
A Actvision usou o Aerosmith e a Eletronic Arts usou o AC/DC para explorar o nicho de fãs específicos dessas bandas que gostam de jogar Guitar Hero e Rock Band. Com a experiência adquirida, foi lançado o ótimo Guitar Hero Metallica, esse sim uma verdadeira homenagem a uma das maiores bandas de trash metal. Agora chegou a vez da Eletronic Arts lançar sua homenagem em forma de jogo aos Beatles. Tocar Twist And Shout, Lucy in the Sky With Diamonds, I Want to Hold Your Hand e Sgt. Pepper em sua guitarra de plástico agora é realidade.

beatlesrb4

O jogo é uma verdadeira aula de história, cheia de fotos e fatos sobre o Quarteto Fantástico (de Liverpool, não dos quadrinhos) e animações lindas durante o Story Mode. Nele acompanhamos a banda desde a apresentação no Cavern Club até a última aparição pública do Beatles, no telhado da gravadora Apple, em 1969. A trajetória é recriada com exatidão, seja com a introdução original de Ed Sullivan para I Want to Hold Your Hand ou nas gravações no estúdio Abbey Road, que parecem uma viagem psicodélica à base de LSD. Além das 45 músicas que acompanham o jogo, a EA já anunciou que irá lançar constantemente conteúdo adicional para download, que será também compatível com as outras versões de Rock Band. Lá vai eu torrar meu cartão de crédito internacional.

artofbeatles1

Enfim, uma homenagem à altura dos reis do iê iê iê e uma ótima oportunidade pra molecada conhecer a banda mais importante da história da música. Nota 9,5

Caim rebelado

Garrish saiu do brilhante sol de maio para o frio dos dormitórios. Seus olhos demoraram um instante para adaptar-se, de modo que Harry “o Castor” foi, a princípio, apenas uma voz incorpórea, vinda das sombras.

– Foi uma droga hein? – perguntou o Castor. – Não foi mesmo uma verdadeira droga?

– Foi – respondeu Garrish. – Foi dureza.

Agora seus olhos pousavam no Castor. Ele esfregava a mão nas espinhas da testa e havia suor sob seus olhos. Usava sandálias e uma camiseta 69, tendo à frente um broche que dizia “Howdy Doody era um pervertido”. Seus enormes dentes protuberantes cintilavam na penumbra.

– Eu ia largar em janeiro – disse Castor. – Fiquei repetindo pra mim, caia fora enquanto é tempo. Então, acabou o período de desistência e era continuar ou perder o ano. Acho que levei pau, Curt. Palavra.

A inspetora estava parada no canto, ao lado das caixas de correspondências. Era uma mulher extremamente alta, parecia vagarosamente com Rodolfo Valentino. Com uma das mãos, tentava endireitar uma alça por baixo da cava suada do vestido, enquanto com a outra pregava com percevejos uma lista enorme com os nomes dos que deixavam o dormitório.

– Dureza – repetiu Garrish.

– Tentei colar alguma coisa de você, mas não tive coragem, juro por Deus. Aquele cara tem olhos de águia! Acha que conseguiu seu A?

– Acho que talvez leve pau – respondeu Garrish.

– Acha que vai levar pau? Você acha que…

– Vou tomar uma ducha, certo?

– Sim, certo, Curt. Essa foi a sua última prova?

– Foi – respondeu Garrish – Essa foi a minha última prova.

Garrish cruzou o saguão, atravessou as portas e começou a subir. O poço da escada cheirava como um suporte atlético. Os mesmos velhos degraus. Seu quarto ficava no quinto andar.

Quinn e aquele outro idiota do terceiro, o que tinha pernas cabeludas, cruzaram com ele, atirando uma bola de softball de um lado para outro. Um sujeitinho de óculos de aro e um cavanhaque que se esforçava valentemente para aparecer passou ao seu lado entre o quarto e o quinto, apertando um livro de cálculo contra o peito, como uma bíblia, os lábios se movendo em um rosário de logaritmos. Seus olhos eram vazios como quadros negros.

Garrish parou e o seguiu com o olhar, perguntando-se se não seria melhor ele estar morto, mas o sujeitinho era agora apenas uma sombra vacilante que desaparecia contra a parede. Ela oscilou uma vez apenas e desapareceu. Garrish subiu para o quinto e desceu o corredor até o seu quarto. Porcão havia partido dois dias antes. Quatro provas finais em três dias, um esforço dos diabos, e me dê o meu boné… Porcão sabia como fazer as coisas. Deixara para trás apenas os pôsteres de suas pin ups, duas meias sem par, suadas e fedorentas, e uma paródia do Pensador de Rodin, empoleirada em um vaso sanitário.

Garrish enfiou sua chave na fechadura e girou.

– Curt! Ei, Curt!

Rollins, o asinino conselheiro daquele pavimento,  que tinha enviado Jimmy Brody para conversar com o diretor, por infração alcoólica, vinha descendo o corredor e acenava para ele. Era alto, corpulento, de cabelos em corte rente, simétrico. Parecia envernizado.

– Você já encerrou? – Perguntou Rollins.

– É.

– Não esqueça de varrer o chão do quarto e preencher o relatório de danos, certo?

– Tudo bem.

– Enfiei o relatório de danos debaixo da sua porta quinta passada, c erto?

– É.

– Se eu não estiver no meu quarto, basta enfiar o relatório de danos e a chave por baixo da porta.

– Certo.

Rollins agarrou a mão de Garrish e a apertou duas vezes, rapidamente, pump pump.. a palma da mão de Rollins era seca, a pele arenosa. Apertar a mão de Rollins era como apertar um punhado de sal.

– Tenha um bom verão, meu chapa.

– Certo.

– Não trabalhe demais.

– Não.

– Use, mas não abuse.

– Vou usar, mas não abusar.

Rollins pareceu um pouco intrigado, mas depois riu.

– Muito bem, cuide-se, rapaz.

Bateu no ombro de Garrishe continuou a descer o corredor, parando uma vez para dizer a Ron Frane que abaixasse o volume do som. Garrish podia ver Rollins jazendo morto numa sarjeta com larvas nos olhos. Rollins não se importaria. Nem as larvas. A gente come o mundo ou o mundo nos come e tudo acaba bem, de um jeito ou de outro.

Garrish ficou parado e pensativo, olhando até Rollins desaparecer de vista. Só então entrou em seu quarto.

Sem a ciclônica bagunça de Porcão, o aposento parecia nu e estéril. A montanha desordenada, crescida e dispersa que havia sido a cama de Porcão, desaparecera por completo, restando apenas o colchão desnudo – embora ligeiramente manchado de esperma. Duas páginas duplas de Playboy olhavam para ele, exibindo frígidos convites bidimensionais.

Houvera pouca mudança na metade do quarto que pertencia a Garrish, que sempre estivera arrumada como um quartel. Você podia deixar uma moeda cair sobre a esticada coberta de sua cama e ela certamente ricochetearia. Toda aquela arrumação dava nos nervos de Porcão. Ele fazia especialização em inglês e tinha tendência para belas frases. Chamava Garrish de dono-de-pombal. A única coisa na parede, acima da cama de Garrish, era uma grande ampliação fotográfica de Humphrey Bogart, que adquirira na livraria da universidade. Bogie empunhava uma pistola automática em cada mão e usava suspensórios. Porcão dizia que pistolas e braçadeiras eram símbolos de impotência. Garrish duvidava muito que Bogie tivesse sido impotente, mesmo nunca tendo lido nada sobre ele.

Chegou à porta do armário embutido, destrancou-a e tirou a enorme Magnum 352 com coronha de nogueira, que seu pai, um ministro metodista, lhe comprara de presente de natal. Ele mesmo comprara o visor telescópio março passado.

Não se podia ter armas nos quartos, nem mesmo rifles de caça, porém não tinha sido difícil. Ele o apanhara no dia anterior no depósito de armas da universidade, apresentando uma forjada papelada de retirada. Colocara-a em seu estojo de couro à prova d´água e o deixara no bosque atrás do campo de futebol. Esta madrugada, por volta das três horas, deixara seu dormitório e tinha ido apanhá-lo, trazendo-o de volta através dos corredores adormecidos.

Garrish sentou-se na cama, com o rifle cruzado sobre os joelhos, e chorou um pouquinho. O Pensador olhava para ele, sentado em seu vaso sanitário. Garrish largou a arma em cima da cama, cruzou o quarto e, com um tapa, jogou-o fora da mesa de Porcão. O Pensador de cerâmica caiu no chão, estilhaçando-se. Houve uma batida à porta.

Garrish escondeu o rifle embaixo da cama.

– Entre!

Era Bailey, em roupas de baixo. Havia m rolo de fios de tecido em seu umbigo. Não existirá futuro para Bailey. Ele se casaria com uma garota imbecil e os dois teriam filhos imbecis. Mais tarde, Bailey morreria de câncer ou insuficiência renal.

– Como foi em sua final de química, Curt?

– Tudo bem.

– Queria saber se podia me emprestar suas anotações. Tenho química amanhã.

– Eu as queimei com meu lixo, esta manhã.

– Oh! Meu Deus! Porcão fez isso? – e ele apontou para os estilhaços do Pensador.

-Sim.

– Por que tinha que fazer isso, se ia embora? Eu gostava daquela coisa. Ia comprar dele.

Bailey tinha feições miúdas e aguçadas, como as de um rato. Sua roupa de baixo era surrada, com fundilhos empapuçados. Garrish podia ver exatamente como ele ficaria, morrendo de enfizema ou coisa assim, em uma tenda de oxigênio. Como ficaria amarelo. Eu poderia ajudá-lo, pensou.

– Acha que se importaria se eu ficasse com as pin ups?

– Acho que não.

– Ótimo – Bailey cruzou o quarto, os pés nus pisando cautelosamente nos cacos de cerâmica, e tirou os percevejos que prendiam os pôsteres das coelhinhas – Essa foto de Bogart também é um barato. Sem peitnhos, mas, puxa! Entende? – Bailey olhou de esguelha para Garrish, querendo ver se ele sorriria. Como não houve nenhum sorriso, acrescentou: – Está pretendendo desfazer-se dele?

– Não. Só estava me preparando para uma ducha.

– Tudo bem, se não tornar a vê-lo, tenha um bom verão, Curt.

– Obrigado.

Bailey caminhou até a porta, com os fundilhos bamboleando. Ali, parou e se virou.

– Outros quatro pontos esse semestre, Curt?

– No mínimo.

– Boa, até o ano que vem!

Saiu e fechou a porta. Garrish se sentou na cama por um momento, depois apanhou o rifle, desmontou-o e limpou-o. levou a boca da arma até o olho e espiou para o pequeno círculo de luz na extremidade oposta. O cano estava limpo. Tornou a montar a arma. Na terceira gaveta de sua cômoda havia três pesadas caixas de munição Winchester. Colocou-as sobre o peitoril da janela. Passou a chave na porta do quarto e retornou à janela. Ergueu as persianas.

A alameda principal da universidade estava clara e verdejante, pontilhada de estudantes indo e vindo. Quinn e seu amigo idiota estavam entretidos com mais um grupo, jogando bola. Corriam de um lado para outro, como formigas aleijadas escapando de um buraco desnivelado.

– Vou te dizer uma coisa – falou Garrish para Bogie – Deus ficou puto com Caim, porque Caim achava que Deus era vegetariano. O irmão dele é que sabia. Deus fez o mundo à Sua imagem, e se a gente não devora o mundo, ele nos devora. Foi então que Caim perguntou ao irmão: “Por que não me contou?”. E o irmão respondeu: “Por que você não ouviu?”. E Caim disse: “Certo, estou ouvindo agora”. Então, ele dá cabo do irmão e diz: “Ei, Deus! você quer carne? Aqui tem! Prefere assada, em bifes, grelhada, de que jeito?”. E Deus botou ele pra danças. E então… o que você acha?

Não houve resposta de Bogie.

Garrish ergueu a janela e descansou os cotovelos no peitoril, sem deixar que o cano da arma se projetasse para fora, à luz do sol. Olhou pelo visor.

Centrou-o no dormitório feminino do Carlton Memorial, no outro lado da alameda principal. O Carlton era mais popularmente conhecido como “o canil”. Colocou a mira sobre uma grande caminhonete Ford. Uma aluna loura, em jeans e top azul, conversava com a mãe, enquanto o pai, de rosto corado e calvo, enchia a traseira da caminhonete com malas.

Alguém bateu à porta.

Garrish esperou.

A batida repetiu-se.

– Curt, eu lhe darei meia prata pelo pôster de Bogart!

Bailey.

Garrish não disse nada. A garota e sua mãe riram de alguma coisa, ignorando que haviam micróbios em seus intestinos, alimentando-se, dividindo-se, multiplicando-se. O pai da garota se juntou a elas e ficaram reunidos ao sol, um retrato de família na mira da arma.

– Que se foda – exclamou Bailey.

Seus pés se moveram corredor abaixo.

Garrish apertou o gatilho.

O rifle escoiceou seu ombro com força, o bom e acolchoado coice de quando se tem a arma apoiada exatamente onde se quer. A cabeça loura a garota se espatifou.

Sua mãe continuou a rindo por um momento, depois levou a mão à boca. Gritou por entre os dedos. Garrish atirou neles. Mão e cabeça desapareceram, em borrifos vermelhos. O homem que estivera colocando as malas no  carro começou a correr desesperadamente.

Garrish o seguiu com a arma e baleou-o nas costa. O homem levantou a cabeça, ficando fora do visor por um instante. Quinn segurava uma bola de softball e olhava para os miolos da garota loura, salpicados sobre uma placa de Proibido Estacionar, atrás de seu corpo caído. Quinn não se moveu. Por toda a alameda principal, as pessoas ficaram imóveis, como crianças brincando de estátua.

Alguém esmurrou a porta, depois sacudiu a maçaneta. Bailey novamente.

– Curt! Você está bem, Curt? Acho que alguém está…

– Boa comida, boa carne, bom Deus, vamos comer! – Exclamou Garrish, e atirou em Quinn.

Ele empurrou o gatilho ao invés de apertá-lo, de modo que o tiro se perdeu. Quinn agora corria. Sem problema. O segundo tiro o pegou no pescoço, fazendo-o voar por uns seis metros.

– Curt Garrish está se matando! – Gritava Bailey – Rollins! Rollins! Venha depressa!

Suas pisadas distanciaram-se, corredor abaixo.

Agora, eles começavam a correr. Garrish podia ouvir a gritaria geral. Podia ouvir o distante tap tap de seus sapatos na calçada.

Ergueu seus olhos para Bogie. Bogie empunhava suas duas armas e olhou através dele. Garrish contemplou os restos estilhaçados do Pensador de Porcão e perguntou-se o que ele estaria fazendo naquele momento, se dormia, se via televisão, ou devorava alguma grande e bela refeição. Coma tudo, Porcão, pensou Garrish. Engula esse otário de uma vez.

– Garrish! – agorra era Rollins que esmurrava a porta – Abra, Garrish!

– Está trancada à chave! – ofegou Bailey – Ele estava estranho, ele se matou, eu sei!

Garrish empurrou novamente o cano da arma para fora da janela. Um rapaz de camisa xadrez, agachado atrás de um arbusto, vigiava as janelas dos dormitórios, com desesperada ansiedade. Garrish percebeu que ele queria correr, mas estava com pás pernas endurecidas.

Vamos comer, bom Deus. – murmurou Garrish, e começou a puxar o gatilho de novo.

Tripulação de Esqueletos, pg 151

tirinha 5

Tirinha gamer #4

O inferno na Terra começou na noite de domingo, dia 13/09.

Eu moro numa casa num bairro feio da cidade de Poá, Grande são Paulo, reduto de baianos, macacos e outros raças. Não me importo mais com esse tipo de gente, mas no domingo eu bem queria matar o corno desgraçado que parou o carro na frente da minha casa com o som num volume absurdo. A música que ele e todo mundo ouvia era assim:

Solteira, sim
Sozinha, nunca
Sou Garota Melancia
E rebolo a minha bun-da!

Desde então a porra da música não sai da minha cabeça. Para piorar, fico pensando no coitado do pai da Andressa Soares, a tal Mulher Melancia. Procurei a música no YouTube: encontrei um trecho do programa da Luciana Jagger Gimenez onde a Watermelon Woman dançava e esfregava o rabo na lente da câmera. Imaginei o desgosto do velho ao ver a filha na TV, cantando isso e rebolando a bunda nas quarenta e duas polegadas da tela de LCD que ele só tem porque a filha rebola a bunda na TV. Nesse momento eu me matava.

**********
Voltei a fazer academia. Ficar em forma, cuidar da saúde, essas coisas. Tá, é mentira. O objetivo é perder essa barriga de filho da puta, bebedor de cerveja e jogador de videogame.

**********
Emocionante. Lindo. Épico. É o que posso dizer do trailer em live action de um dos games mais esperados do ano: Halo 3 ODST. Se alguém não tinha um motivo para comprar um Xbox 360, agora já tem.

Halo 3 ODST

**********
E parece que alguém finalmente retornou do mundo dos mortos virtuais, para encher nossas vidas com sua sabedoria.

Seja bem vindo novamente à blogosfera, meu amigo.

In This Moment – Call Me

Avantasia – Breaking Away

Helloween – Power

The Agonist – And Their Eulogies Sang Me To Sleep

Skylark – Moonlight Shadow

Mais de 1/4 de século vivido, formado em publicidade e amante de games, música e pop!

Na estante

tripulacao-de-eaqueletos-stephen-king

Twitter

setembro 2009
S T Q Q S S D
« ago   out »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930